Site Corsan

Rating

RATING Agência Classificação Última Revisão
Corporativo Fitch AA- (bra) 29 de novembro de 2021
Perspectiva Estável
4ª emissão de Debêntures Fitch AA- (bra) 29 de novembro de 2021

Fitch Afirma Rating ‘AA-(bra)’ da Corsan; Perspectiva Estável

Mon 29 Nov, 2021 – 15:19 ET

O rating da Corsan reflete o baixo risco de negócios do setor de saneamento básico, com demanda relativamente resiliente. A empresa detém posição quase monopolista nos municípios onde opera, em sua maioria sob contratos de programa de longo prazo, o que protege sua geração operacional de caixa. A Corsan deverá preservar reduzida alavancagem financeira e adequada liquidez, com expectativa de fluxos de caixa livre (FCFs) positivos a partir de 2022.

A classificação da Corsan é limitada pelo histórico de margens de EBITDA abaixo da média de seus principais pares na indústria. A empresa também tem o desafio de viabilizar a ampliação da sua reduzida cobertura de coleta de esgoto, conforme estabelecido pelo novo marco regulatório, sem pressionar seu perfil de crédito. A companhia está exposta a risco político, dado seu controle público, embora esta condição não limite o seu rating. Os riscos hidrológico e regulatório têm sido gerenciáveis.

PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO RATING

Baixo Risco da Indústria: O setor de saneamento básico brasileiro apresenta baixo risco, com demanda resiliente mesmo em cenários macroeconômicos desfavoráveis por estar relacionado a um serviço essencial à população. A Corsan preservou seu sólido perfil de crédito, apesar do impacto indireto da pandemia do coronavírus em seus negócios – que se refletiu no aumento da inadimplência e no adiamento do reajuste tarifário –, beneficiando-se da continuidade do incremento no volume total faturado. Os reajustes de tarifas implementados pela companhia têm mantido o seu equilíbrio econômico-financeiro e sua capacidade de geração operacional de caixa.

Margens de EBITDA Abaixo Das Dos Pares: A margem de EBITDA da Corsan deve permanecer na faixa de 20% a 24% nos próximos anos, abaixo das de seus principais pares da indústria, que se encontram na faixa de 35% a 50%. O cenário-base do rating considera um EBITDA de BRL640 milhões em 2021, com margem de 20,5%, e de BRL829 milhões, com margem de 23,9%, em 2022. As premissas incorporam aumento médio anual de 1,6% no volume total faturado da companhia de 2021 a 2024. Por sua vez, os reajustes tarifários devem ser em linha com a inflação média projetada de 3,5% pela Fitch de 2022 a 2024, sendo que o diferimento de 5,22% na tarifa de alguns municípos em 2021 também deve ser implementado em 2022. A Corsan registrou EBITDA ajustado de BRL735 milhões no período de 12 meses encerrado em setembro de 2021, com margem de 24%.

Desafio de Ampliar Investimentos: A Corsan tem como desafio a execução de maiores investimentos para ampliar a reduzida cobertura da coleta de esgoto em sua área de atuação. Conforme o novo marco regulatório, a empresa terá de expandir a cobertura deste serviço de 19%, ao final de setembro de 2021, para 90%, em 2033. A estratégia da Corsan incorpora a desestatização da companhia ou a formalização de parcerias público-privadas (PPPs) para diminuir sua necessidade de realização direta de investimentos. O cenário-base considera investimentos médios próximos a BRL500 milhões entre 2022 e 2024, sendo a manutenção deste montante no longo prazo insuficiente para o alcance da meta.

A Corsan deverá apresentar fluxo de caixa das operações (CFFO) crescente ao longo dos anos, com BRL646 milhões em 2021 e média de BRL828 milhões de 2022 a 2024. O FCF deve ficar negativo em cerca de BRL160 milhões em 2021, pressionado pelo elevado pagamento de dividendos de BRL345 milhões em relação ao histórico da companhia, passando a ser positivo nos anos seguintes, com média próxima a BRL220 milhões de 2022 a 2024. No período de 12 meses findo em setembro de 2021, o CFFO atingiu BRL606 milhões e o FCF ficou negativo em BRL159 milhões.

Alavancagem Conservadora: A alavancagem financeira da Corsan deverá permanecer em patamares conservadores nos próximos anos, com a relação dívida líquida/EBITDA abaixo de 2,5 vezes. No cenário-base do rating, este indicador será de 0,7 vez em 2021, de 0,5 vez em 2022. Ao final de setembro de 2021, a Corsan reportou índices de dívida total/EBITDA e dívida líquida/EBITDA, em bases ajustadas segundo critérios da agência, de 1,8 vez e de 0,8 vez, respectivamente.

Mudanças Regulatórias São Gerenciáveis: O rating da Corsan não incorpora nenhum impacto relevante no seu perfil de crédito devido ao novo marco regulatório e à publicação recente do Decreto 10.710, referente à comprovação de capacidade econômico-financeira das empresas de saneamento para que estas mantenham o atendimento aos municípios. A empresa possui capacidade para efetuar esta comprovação. Além disso, ao final de setembro de 2021, em torno de 95% da receita da Corsan estavam respaldados por contratos com vencimentos superiores a dez anos, o que representa proteção importante para a sua geração operacional de caixa.

SENSIBILIDADE DOS RATINGS

Fatores Que Podem, Individual ou Coletivamente, Levar a Uma Ação de Rating Positiva/Elevação:

— Aumento das margens de EBITDA para mais de 30%, excluindo do cálculo a receita e os custos de construção;

— Manutenção da alavancagem e da liquidez nos patamares atuais.

Fatores Que Podem, Individual ou Coletivamente, Levar a Uma Ação de Rating Negativa/Rebaixamento:

— Índice de alavancagem líquida ajustada acima de 3,5 vezes, de forma sustentada;

— Piora no perfil de liquidez;

— Margem de EBITDA abaixo de 18%, em bases sustentáveis;

— Percepção, por parte da Fitch, de aumento do risco político e/ou regulatório da empresa.

 

PRINCIPAIS PREMISSAS

Principais Premissas da Fitch no Cenário de Rating da Corsan:

— Volume faturado de água com queda de 0,4% em 2021 e crescimento anual médio de 1% de 2022 a 2024;

— Volume faturado de esgoto com crescimento de 5,6% em 2021 e médio anual de 7% de 2022 a 2024;

— Reajustes tarifários em linha com a inflação projetada pela agência de 2022 a 2024; e aplicação do reajuste diferido de 5,22% em julho de 2022;

— Pagamentos de dividendos de BRL345 milhões em 2021 e equivalentes a 25% do lucro líquido distribuível nos anos seguintes;

— Investimentos de BRL462 milhões em 2021 e médios anuais de BRL497 milhões de 2022 a 2024;

— Ausência de oferta pública inicial de ações (IPO), que implicaria em consequente privatização da companhia.

RESUMO DA ANÁLISE

A Corsan possui perfis financeiro e operacional inferiores aos de seus principais pares, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), ambas com Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA(bra)’, e a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), classificada com o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AA+(bra)’. Todas estas empresas apresentam robusta geração operacional de caixa e comprovado acesso aos mercados de dívida e de capitais. A margem de EBITDA da Corsan deve ficar próxima a 23% nos próximos anos, frente aos 38%-42% da Sanepar, aos 37%-38% da Copasa e aos 45%-49% da Sabesp, que se beneficia de uma escala de negócios maior. Em termos de alavancagem financeira líquida, as quatro empresas devem manter seus indicadores abaixo de 2,5 vezes.

A Saneamento de Goiás S.A. (Saneago, Rating Nacional de Longo Prazo ‘A+(bra)’), outra empresa do setor, apresenta maior exposição a vencimentos de contratos e perfil de liquidez inferior à Corsan. Pelas projeções da Fitch, ambas as companhias apresentarão índices dívida líquida/EBITDA abaixo de 2,5 vezes nos próximos três anos e margens de EBITDA abaixo de 30%.

Em termos acionários, a Corsan e as demais empresas do setor estão expostas ao risco político, decorrente de seu controle público-estadual. Entretanto, os ratings destas companhias não estão sendo impactados por este risco até o momento. Todas enfrentam um ambiente regulatório em desenvolvimento.

Resumo dos Ajustes das Demonstrações Financeiras

— Caixa restrito para garantia de dívidas ajustado como liquidez;

— Exclusão da receita e dos custos de construção;

— Depósitos bancários vinculados à execução de investimentos não foram considerados como caixa.

LIQUIDEZ E ESTRUTURA DA DÍVIDA

Liquidez Gerenciável: O rating contempla a expectativa de que a Corsan conseguirá gerenciar seu perfil de liquidez de forma satisfatória nos próximos anos, a partir de volumes de caixa adequados e de um cronograma de vencimento da dívida alongado. A empresa não deverá ter dificuldades em acessar linhas de crédito de longo prazo para realizar os investimentos planejados ou rolagens de dívida, caso necessário. A empresa tem mantido robusta relação caixa e aplicações financeiras/dívida de curto prazo, com a média de 2,0 vezes de 2018 a 2020. Ao final de setembro de 2021, os BRL654 milhões de caixa e aplicações financeiras estavam beneficiados pela emissão de BRL600 milhões em debêntures realizada em maio de 2021, e cobriam os BRL119 milhões da dívida de curto prazo em 5,5 vezes.

Como fator positivo, ao final de setembro de 2021 a companhia possuía recebíveis livres que correspondiam a cerca de 80% do faturamento, que poderão ser utilizados para garantias em futuras emissões. Na mesma data, a dívida total de BRL1,1 bilhão consistia, principalmente, de BRL606 milhões em debêntures, BRL307 milhões em financiamentos junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e BRL190 milhões junto à Caixa Econômica Federal (Caixa).

PERFIL DO EMISSOR

A Corsan é uma concessionária que presta os serviços de fornecimento de água tratada e de coleta e tratamento de esgoto em 317 dos 497 municípios do estado do Rio Grande do Sul, atendendo a cerca de seis milhões de pessoas. A empresa é controlada pelo estado, que detém 99,99% das ações ordinárias. A companhia assiste 97% da população urbana em sua área de atuação com fornecimento de água e apenas 19% da população com coleta de esgoto, sendo todo o esgoto tratado.

INFORMAÇÕES REGULATÓRIAS:

A presente publicação é um relatório de classificação de risco de crédito, para fins de atendimento ao artigo 16 da Resolução CVM nº 9/20.

As informações utilizadas nesta análise são provenientes da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan).

A Fitch adota todas as medidas necessárias para que as informações utilizadas na classificação de risco de crédito sejam suficientes e provenientes de fontes confiáveis, incluindo, quando apropriado, fontes de terceiros. No entanto, a Fitch não realiza serviços de auditoria e não pode realizar, em todos os casos, verificação ou confirmação independente das informações recebidas.

Histórico dos Ratings:

Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan):

Data na qual a classificação em escala nacional foi emitida pela primeira vez: 2 de dezembro de 2020.

A classificação de risco foi comunicada à entidade avaliada ou a partes a ela relacionadas, e o rating atribuído não foi alterado em virtude desta comunicação.

Os ratings atribuídos pela Fitch são revisados, pelo menos, anualmente.

A Fitch publica a lista de conflitos de interesse reais e potenciais no Anexo X do Formulário de Referência, disponível em ‘www.fitchratings.com/brasil’.

Para informações sobre possíveis alterações na classificação de risco de crédito veja o item: Sensibilidade dos Ratings.

Informações adicionais estão disponíveis em ‘www.fitchratings.com’ e em ‘www.fitchratings.com/brasil’.

A Fitch Ratings foi paga para determinar cada rating de crédito listado neste relatório de classificação de risco de crédito pelo devedor ou emissor classificado, por uma parte relacionada que não seja o devedor ou o emissor classificado, pelo patrocinador (“sponsor”), subscritor (“underwriter”), ou o depositante do instrumento, título ou valor mobiliário que está sendo avaliado.

Metodologia Aplicada e Pesquisa Relacionada:

— Metodologia de Ratings Corporativos (15 de outubro de 2021);

— Metodologia de Ratings em Escala Nacional (22 de dezembro de 2020).